Porcentagem de spoilers: 10%.

Caraca, eu já estava me esquecendo como Ted Mosby é chato pra ca#@$@#$@!

Enfim, como um fiel sobrevivente de How I Met Your Mother, lá fui eu assistir a premiere da oitava (e talvez última) temporada da comédia da CBS. O que me deixa mais desmotivado ao assistir a temporada é todos os meus amigos dizendo que “a série já deu”, “ninguém aguenta mais” e “já devia ter acabado faz tempo”. E perceber que todos eles estão cobertos de razão.

Ainda me divirto com a série. Senão, não estaria nem chegando perto, como fiz com outras comédias na última temporada. Mas é frustrante a série gastar uma temporada inteira para contar uma história, que voltou no mesmo ponto, e agora, eles gastarem outra temporada inteira para explicar por que aconteceram todas as mudanças apresentadas no final da temporada anterior.

Isso, sem contar que, se tivermos uma nona temporada (e, de forma muito otimista, “a mãe”  for apresentada ao público nessa oitava temporada), eles podem mudar as cartas tudo de novo, até chegarmos ao “como Ted se apaixonou e se casou com a mãe”. Que é algo que, na boa, nem quero mais saber direito.

Para você ter uma ideia do que estou falando: ninguém se casou. Ainda. E, pelo andar da carruagem, não vai se casar. Seja Barney ou seja o Ted, alguém vai ficar pelo meio do caminho. Até eles se explicarem como tudo aconteceu, vai chão. Isso, sem falar que com certeza a série vai tomar o viés de mostrar como Marshall e Lily estão se virando com a nova vida de “pais frescos”.

E, para sua informação, Ted Mosby continua aquela mocinha quando se fala em sentimentos. É um festival de frescura que chega a irritar. Seria mais fácil se eu ignorasse a existência dele na série, como foi feito em boa parte da última temporada (as idas e vindas de Robin e Barney são bem mais interessantes), mas nesse episódio é algo impossível, pois foi todo centrado nele.

Bom, nos preparemos para algumas semanas de enrolação. E, de fato, How I Met Your Mother precisa acabar nessa temporada. Para o bem dos atores, o bem da série, e o bem do bom senso. De fato, haja criatividade para enrolar durante mais 22 ou 24 episódios.