the-neighors-aliens

The Neighbors | ABC | Comédia | Temporadas: 01 |  Indicações: 01 (Melhor Canção Original em Série – Letra e Música)

Bom, o que dizer sobre essa “preciosidade” da TV norte-americana? A série que quase acabou com o SpinOff.com.br com sua renovação absurda por parte da ABC chega ao Emmy Awards 2013 apenas para confirmar a teoria que “o mundo é um lugar muito irônico para se viver”. E também que o fato de The Neighbors ser mencionada como uma indicada ao Emmy Awards 2013  é a prova cabal que qualquer porcaria pode chegar à premiação. Mesmo!

Me desculpem quem gosta da série. Respeito quem consegue rir dos alienígenas que choram pelas orelhas, da vizinhança que se veste da mesma forma, e do marido que tem nome de astro da NBA. Agora, daí a dizer que a série é “genial, espetacular, e o Moreira só fala besteira”… desculpa, amigo: você está forçando a amizade de uma tal forma, que não dá para sequer considerar que você esteja falando realmente sério quando chega aqui no blog para defender uma série que é, de longe, uma das piores estreias da última temporada.

De novo: não me incomodo com alienígenas. Já fizeram uma comédia sobre ETs na Terra, e eu ria litros – 3rd Rock From the Sun. Na verdade, duas, se considerarmos ALF – que tem o mesmo plot. O grande problema de The Neighbors (na minha opinião) é que a série é visualmente mal feita, o plot é repetitivo, as piadas são sem graça, a produção é ruim, o elenco é ruim… e tem esses alienígenas verdes digitalizados!

Não! Para o meu gosto, não dá! Quer ser feliz nesse mundinho? Beleza. Seja feliz. Eu prefiro a realidade mesmo.

De qualquer forma, The Neighbors chega ao Emmys 2013 sambando na cara de quem tem bom gosto, sendo indicada na categoria de Melhor Canção Original – Letra e Música. A ironia do Emmy pode ser completa se eles ganharem. Se bem que, particularmente, duvido que uma das canções de Smash ou a música do series finale de 30 Rock não levem o prêmio. Porém, não duvido. É o Emmy Awards. E, se indicaram, alguma coisa tem. Não foi de graça.

Por fim, segue o meu provérbio, que vale para a vida:

“Quer gostar de merda? Beleza! Goste da  merda a vontade. Mas não venha me dizer que merda é algo bom. Você está errado!”