Aaron Sorkin conseguiu de novo. Fez lembrar porque o seu nome é reconhecido como um dos melhores da atualidade, no cinema e na TV. Nem precisava citar, mas A Rede Social, Moneyball, Studio 60 on the Sunset Strip e The West Wing são apenas algumas de suas obras primas. E The Newsroom deu o primeiro passo para engordar essa lista.

Encare esse piloto como um filme que vai te apresentar para uma história que você vai ver ao longo das próximas semanas. Eu sou meio avesso aos pilotos muito longos, pois acho que minha vida é mais preciosa que isso (esse aqui tem 77 minutos de duração). Mas no caso de The Newsroom, o negócio é tão bem feito que parar de ver o piloto chega a ser um crime. Literalmente. Você se convence que vale a pena ver o resto logo na primeira cena do piloto, que é simples, porém, memorável.

Aaron Sorkin já fez isso em Studio 60: uma cena inicial, com um discurso inflamado, que dá um soco no rim da sociedade cristã ocidental, mexendo com tudo aquilo que o americano médio acredita ser certo. Em The Newsroom, a fórmula se repete, e dá certo. A declaração feita pelo âncora do principal jornal do canal a cabo Atlatis Cable News (ACN), Will McAvoy (Jeff Daniels) é forte, conciso, pesado e principalmente, corajoso. Falou a realidade do cenário atual dos Estados Unidos como nação, e levanta logo de cara a discussão: qual é o papel da imprensa em transmitir à população a realidade dos fatos, e como essa mesma imprensa pode distorcê-los. E toda essa discussão começa com a pergunta mais “american way of life” de todas: por que a América é “o maior país do mundo”?

Pois é… nosso amigo Will disse que não era. E esse foi o barril de pólvora aceso.

Lidar com as consequências de ir na contramão do sistema previamente estabelecido pelas grandes redes de notícia dos Estados Unidos, e não se posicionar pró-Democratas ou pró-Republicanos. Falar a verdade. Falar o que realmente pensa, como um âncora deve fazer. Will chegou em um ponto onde não queria mais ser pautado pela discussão de “ter que escolher um lado” dentro de um cenário político que só está falindo os Estados Unidos, tanto no lado financeiro quanto no lado moral.

Como resultado de suas declarações, Will vê a sua posição no canal seriamente prejudicada, e começa a lutar para defender aquilo que acredita nas suas convicções como jornalista. O desejo de não mais se limitar a transmitir os fatos, mas sim agir como elemento de transformação e até mesmo de despertar para o norte-americano se enxergar de outra forma. Sorkin foi muito oportuno em aproveitar o período de mais uma disputa eleitoral nos Estados Unidos (em 2012, os americanos vão decidir se Barack Obama será reeleito ou não) para mostrar de forma clara como essa disputa política pode ser influenciada pela mídia, e como funciona esse jogo do poder nos principais veículos de notícias da América.

Alguns vão achar que The Newsroom é a nova série #PNC que vai ser jogada lá pra cima sem merecer. Discordo desde já. A série é impecavelmente bem produzida, com planos de câmera que são a marca registrada de Aaron Sorkin, uma fotografia impecável e um texto que é o seu principal destaque. Apesar de um piloto com uma grande quantidade de diálogos, todos eles são muito bem escritos, com um conteúdo que empolga quando vemos esses temas sendo ditos na TV. Por que empolga? Porque desafia o discurso feito pelos demais canais. Porque estimula a discussão sobre os assuntos tratados. E, se for bem apreciada pelos brasileiros, pode até despertar discussões interessantes sobre como a nossa imprensa trata com os mesmos temas, mesmo em cenários políticos e culturais diferentes.

The Newsroom
tem um piloto realmente muito bom, impecável. Aaron Sorkin justifica o seu nome de credibilidade, e faz lembrar que a própria HBO não precisa apelar sempre para violência medieval ou garotas de Nova York fazendo sexo ousado na tela para ser a HBO. É ótimo ver que o canal do “it’s not TV” vai mesmo muito além do que estimular o pênis e a testosterona da audiência. Quer estimular o músculo mais importante do ser humano: o cérebro.

Não perca mais tempo: vá agora assistir The Newsroom, a nova série preferida dos #PNC (e dessa vez, com orgulho, me incluo nessa lista).

P.S.: #PNC (Pau no C#@$@… cortesia dos Seriadores.com.br)