The Mindy Project, comédia criada, produzida e estrelada por Mindy Kaling (The Office), estreia hoje (25) na Fox dos Estados Unidos. Mas, como a estratégia dos canais é liberar o piloto para medir o termômetro da audiência, já pudemos conferir como foi o seu piloto, e dar os nossos pitacos nada abalizados (mesmo porque somos todos palpiteiros).

Conheça Mindy Lahiri. Mindy tem sonhos. Mindy vive em um mundo de sonhos. O mundo do romance ideal. Mindy cresceu com a convicção que, em um belo dia, ela vai encontrar o cara perfeito, que vai deixar a noiva para se casar com ela durante a virada de ano, ou acredita que se declarar para o ex-namorado, no dia do casamento dele, vai fazer o mesmo mudar de ideia. Mas o mundo não é assim. Aos 31 anos, já formada em medicina e tendo os seus próprios clientes, Mindy se dá conta que quando uma boneca Barbie em um fundo de uma piscina joga na cara dela que “até ela tem um namorado”, está na hora de mudar o rumo de sua vida.

O objetivo de Mindy ainda é encontrar a sua versão Tom Hanks de “Mensagem Para Você”, mas o mais próximo disso é o colega de trabalho dele, Jeremy (Ed Weeks), que está mais para “amigos com benefícios” do que para o par romântico que vai compartilhar o frozen yogourt no final do dia em um passeio no Central Park. O que Mindy ainda não sabe é que, como em toda comédia romântica, o par ideal para ela é justamente o médico que mais detesta, Danny Castellano (Chris Messina), que é divorciado, mas que “entende tudo do que uma mulher precisa”. Bom, de uma mulher, eu não sei. Da Mindy? Está na cara.

Sobre o piloto em si, devo avisar que a série é uma autêntica comédia romântica. Dito isso, The Mindy Project não é do tipo de comédia que você vai se escangalhar de rir. Algumas situações são bem bobas (por que a Mindy se dá ao trabalho de pegar táxi em Nova York, sendo que ela só vive correndo nas ruas da cidade, e sem salto?), e as piadas estão mais na condição de “mulher de mais de trinta desesperada para achar o homem da sua vida” do que qualquer outra coisa. Logo, é preciso ser espirituoso, e comprar a proposta da série.

O piloto tem lados positivos. O mais positivo deles é que Mindy Lahiri não é Kelly Kapoor. Isso já é um ganho fantástico. Kaling teve o cuidado de se preocupar na interpretação de um personagem diferente, para uma proposta de série diferente. Ela é atrapalhada, desajeitada, um tanto quanto desesperada, mas não beira à futilidade de Kapoor. Mas, tudo bem. Eu confio no taco de Kaling nesse aspecto. Afinal, ela era uma das roteiristas de The Office, e se a série progredir, vai ser pelas mãos dela.

Outro ponto de destaque é a lista de amigos de Kaling tem para trazer no seu piloto. Afinal, não é qualquer piloto que conta com as participações de Bill Hader (Saturday Night Live) e Ed Helms (The Office). Se essa lista vai continuar a aumentar, certamente será um bom motivo para assistir a série.

Mas… vale a pena assistir The Mindy Project? Ela vai durar?

Para a primeira pergunta, a resposta é: depende. Se você gosta de comédias românticas, você vai gostar de The Mindy Project. O piloto reúne todos os componentes que vimos em filmes desse gênero. Aliás, até parece um curta-metragem de uma série romântica nova-iorquina. Sua namorada certamente vai gostar, e sua irmã pode se identificar com situações que normalmente acontecem quando as mulheres se esforçam a todo custo. Agora, se você não se empolga com esse tipo de filmes, e reza para que o Bruce Willis te salve do cinema ou da sala de casa, nem passe perto. A série, definitivamente, não foi feita para você.

Sobre a segunda pergunta, a resposta é: não sabemos. A série é bonitinha, jeitosinha, mas ainda falta alguma coisa. Para quem respondeu “sim” para a primeira pergunta, é bom dar uma chance para ver como a história vai se desenvolver. Mas a primeira impressão da série é um verdadeiro divisor de águas para mostrar exatamente para qual público ela é destinada.