LIZA LAPIRA, REBEL WILSON, LAUREN ASH

E finalmente estreou Super Fun Night, comédia produzida por Conan O’Brien e protagonizada por Rebel Wilson. Antes de qualquer coisa, temos que lembrar que esse projeto foi recusado pela CBS e resgatado pela ABC, que fez diversas modificações no elenco, teve o piloto regravado, e ainda assim, ficou tão abaixo do que eles esperavam que não foi exibido. O primeiro episódio da série é o segundo! Enfim, vamos tentar entender tudo isso.

Nessa série, vamos acompanhar Kimmie Boubier (Rebel Wilson). Nos últimos 13 anos de sua vida, ela suas amigas Marika (Lauren Ash) e Helen-Alice (Liza Lapira) promoviam a “Friday Fun Night”, uma noite onde as três se divertiam no apartamento de uma delas, com atividades inocentes e despretensiosas, que mostravam apenas o quão perdedoras elas eram nessa vida.

Porém, tudo muda quando Kimmie é promovida no escritório de advocacia onde trabalha para um departamento superior, onde a elite do escritório atua. Lá, ela trabalha com o filho do dono do escritório, Richard Lovell (Kevin Bishop), que rapidamente faz amizade com Kimmie, e orienta a nova amiga a começar a frequentar os locais onde os novos colegas de trabalho costumam ir, para estabelecer laços sociais. Além disso, ela toma a iniciativa de frequentar locais mais descolados e atividades que envolvem basicamente outras pessoas, colocando a tal “Friday Fun Night” em um outro nível.

Com isso, Kimmie, Makira e Helen-Alice se deparam com um mundo novo, onde elas precisam se encaixar para que a vida de Kimmie comece a funcionar. É claro que sempre tem algumas coisas que podem atrapalhar, nesse caso, Kendall Quinn (Kate Jenkinson), que está interessada em Richard, mas vê em Kimmie um grande obstáculo a ser ultrapassado.

O piloto primeiro episódio exibido de Super Fun Night é regular. Não é uma comédia genial, que te faz gargalhar de todas as cenas (até está meio longe disso), mas até que foi razoavelmente aceitável. Baseado nisso, podemos dizer que a série é meio fraca, pois se esse episódio foi considerado melhor que o piloto pelos executivos da ABC, é sinal que o piloto deveria ser simplesmente um lixo. De qualquer forma, obrigado ABC por ter nos poupado do pior.

Todas as principais piadas do episódio estão em cima de Rebel Wilson (até porque o foco da série é basicamente mostrar a nova fase da sua vida no escritório onde ela trabalha). E devo dizer que ela é a melhor coisa do episódio. Apesar de serem piadas físicas (e muita gente vai torcer o nariz para isso – principalmente os politicamente corretos), elas funcionam. Até porque Rebel não se limita em ficar apenas rindo de si mesma e do fato dela ser gorda. Vai além disso, cantando, dançando… e fazendo piadas dos outros não serem gordos.

A série aborda de forma leve o fato das perdedoras tentarem se encaixar no mundo dos vencedores. Sim, pois Kimmie e suas amigas são, basicamente, as “loosers” do programa. E, a partir disso, mostrar que é sim possível os ditos esquisitos se destacarem no mundo daqueles ditos “normais”.

Por outro lado, o episódio inicial é um tanto quanto maçante, já que todo o resto que não responde pelo nome Rebel Wilson tende a ser meio desinteressante. As amigas dela é algo passável, mas Kendall e, principalmente, Richard são personagens que ainda precisam se desenvolver, pois são quase entediantes. Precisam ser algo mais do que a bitch do escritório, ou o britânico almofadinha que vive um chove-não-molha com Kimmie.

Enfim, Super Fun Night se divide em dois grupos bem definidos: se você gosta do trabalho de Rebel Wilson, vai gostar da série, pois é centrada nela e suas piadas. Se quer ir um pouco além disso, vai torcer o nariz para a série. Mas, repito: ao menos a ABC nos poupou do pior. E, com isso em mente, temos que dizer que a série ainda precisa melhorar para se salvar.