Sean Saves the World - Season 1

Demorou para sair esse post de primeiras impressões. O motivo é o simples fato que eu não queria perder nenhuma piada do piloto. Mesmo que elas praticamente não existissem. A volta de Sean Hayes para a NBC acontece no formato da sitcom Sean Saves the World, que infelizmente, não deve se salvar.

A história é focada em Sean (Sean Hayes), um pai gay e divorciado, uma combinação que hoje não é tão incomum assim. Dirige uma empresa de vendas online, tem uma carreira relativamente bem sucedida, apesar do seu novo chefe, Max (Thomas Lennon), e sua mãe, Lorna (Linda Lavin), que o despreza o tempo todo.

O rumo da vida de Sean muda quando a sua filha de 14 anos de idade, Ellie (Samantha Isler), resolve se mudar para a casa dele, para permanecer com os amigos de escola, depois que a sua mãe decidiu mudar de cidade. Com isso, Sean vai ter que equilibrar a sua vida profissional com o seu novo cenário pessoal, se esforçando para ser um bom pai e ainda ser um bom profissional na empresa.

E, levando em conta as pessoas que os cercam, não será uma missão muito fácil. Logo, o “Save the World” do título não é tão exagerado assim. Afinal de contas, Sean consegue resolver os cenários mais críticos de sua casa e trabalho, usando de inteligência, habilidades sociais e bom humor.

Sean Saves the World - Season Pilot

Vamos lá.

Antes de qualquer coisa, eu gosto muito de Sean Hayes. Por conta de Will & Grace, por ser o produtor de Hot in Cleveland, e por entender que ele é uma pessoa que tira o riso fácil das pessoas. Logo, iria assistir o piloto de Sean Saves the World de qualquer forma. Já esperava que a série fosse toda em cima dele, o que é uma escolha óbvia. Até aí, nada de errado.

O problema é que Sean Saves the World tem um piloto bem fraco. As poucas piadas focadas em Sean Hayes são fracas e previsíveis. Os poucos momentos engraçados do piloto se valem do humor físico, e até mesmo a relação entre mãe e filho (Sean e Lorna), onde a mãe rejeita o filho de todas as formas, mas no final (de forma quase cretina), afirma que ele é um bom pai, não é algo novo.

Aliás, a NBC apostou nessa série por entender que todos querem ver variações de “Modern Family”, onde talvez essa não seja uma boa ideia para novas séries. Mas isso é algo que podemos discutir melhor no futuro.

O piloto de Sean Saves the World não apresenta nada de especial, ou não reúne argumentos bons o suficiente para que você volte para o segundo episódio. Pode até ser aquela comédia de 30 minutos que você vai assistir de forma despretensiosa nos finais de semana (principalmente em um sábado à tarde de chuva), mas não é aquela série que você realmente se apega. Bom, a não ser que você goste muito do Sean Hayes. Aí, a coisa muda de figura.

Vale a pena destacar que Megan Hilty (de Smash) está no elenco regular da série, o que é uma boa notícia para os seus fãs. A menina é uma das melhores coisas do piloto.

Por fim, Sean Saves the World vai precisar de muita sorte para sobreviver na grade da NBC (que carinhosamente chamamos de “vala” da TV aberta norte-americana). Precisa melhorar demais para convencer executivos e audiência que merece sobreviver. E estando no pior dia da NBC para as suas séries (as quintas-feiras), o meu melhor conselho é: não se apegue muito. As chances de cancelamento são enormes.