ravenswood

Se existe um canal que me faz repensar os comentários maldosos que eu faço sobre o canal CW, esse canal é o ABC Family. Porque, sério… eles conseguem entregar resultados simplesmente “inacreditáveis”. E é o caso de Ravenswood, spinoff de Pretty Little Liars, que segue a mesma fórmula: um elenco (quase todo) composto por pessoas bonitas, com ar descolado de modelos, mas que são almas atormentadas por viver o tempo todo em clima de mistério e suspense.

Tudo começa quando Caleb Rivers (Tyler Blackburn) resolve pegar um ônibus para Ravenswood, com o objetivo de ajudar a sua namorada, Hanna Marin. No ônibus, ela encontra Miranda Collins (Nicole Anderson), que também está indo para Ravenswood, mas por outros motivos. Ela quer encontrar o seu (relativo) último parente vivo, o seu tio Raymond (Steven Cabral), dono de uma funerária, que abandonou Miranda quando ela era criança. Ou seja, um cara sinistro.

Com o objetivo de começar a compreender o seu passado, Miranda convida Caleb (que, de novo, estava em viagem para ajudar a sua namorada Hanna – procure sempre se lembrar disso) para visitar o cemitério local. E lá, ambos encontram uma grande e macabra surpresa: as suas lápides, com suas fotos, e os seus nomes! #mistério #boom #LOST

O que já é bem estranho fica mais confuso quando eles chegam em Ravenswood. Não bastando o fato de Miranda ter um tio com cara de morto (e lidar com mortos), e morar com a única personagem com mais de 60 anos na série, Carla Grunwald (Meg Foster), que já deu as caras em Pretty Little Liars, tanto Miranda quanto Tyler (que, de novo, a essa altura, já nem lembra que tem namorada pra ajudar), se envolvem com dois irmãos, os gêmeos Luke (Brett Dier) e Olivia Matheson (Merritt Patterson). Seus pais morreram sob circunstâncias misteriosas e controversas, vítimas de uma espécie de maldição que paira sobre Ravenswood há décadas, e agora os dois são semi-hostilizados por metade da cidade.

O quarteto vai contar com a ajuda de Remy Beaumont (Britne Oldford), filha do editor-chefe do jornal local, que também desconfia que alguma coisa muito estranha acontece na cidade amaldiçoada. Juntos, o quinteto (em companhia do cachorro falante) vai trabalhar para descobrir os segredos de Ravenswood, e tentar acabar com a tal maldição. Pois tudo indica que as próximas vítimas desse mau agouro são eles mesmos.

Por onde começar…

Bom, é a cara do ABC Family. E isso não é um elogio.

O piloto de Ravenswood é fraco, assim como Pretty Little Liars também é. Me desculpem os fãs, e me desculpem aqueles que já defendem as duas séries, mas é a minha opinião, e vou dizer por que.

A história é bem sem pé nem cabeça nem cérebro nem corpo nem braço nem nada. Tyler vai atrás da namorada (que, aliás, vai aparecer em Ravenswood – afinal de contas, o namorado vai ajudar ela, e ele nem aparece na frente dela?), mas para a primeira desconhecida que tem uma barra de vida, ele vai com ela no cemitério. Detalhe: nem é para fornicação.

Depois, ambos acabam vendo as suas lápides. Ou seja, ou é visão do futuro, ou eles já dançaram nessa vida. Mas como o importante não é teorizar, vamos em frente. A nossa amiga Miranda, ao perceber que o seu tio era meio maluco, no lugar de pular fora e seguir com sua insignificante insistência, insiste de forma chata em descobrir o seu passado, com sérios riscos de se ferrar por conta disso.

Pra completar uma das irmãs dos pais mortos, é teimosa: vai no desfile da cidade, só pra sofrer de bullying!

Definitivamente, não é o meu tipo de série.

Ravenswood é uma série de roteiros fracos, argumentos fracos, personagens pouco carismáticos, e interpretações fraquíssimas. A produção também escorrega feio em alguns cenários. Acho legal as referências para os filmes clássicos de terror, mas algumas são risíveis (principalmente a do final do episódio). E para quem continuar com a série, que se prepare para argumentos tão absurdos quanto “a A é uma equipe, liderada por um dos professores da escola”, ou “tem um porco dentro do porta-malas!”.

Aliás, para quem vai continuar, boa sorte. Pelo visto, a audiência da ABC Family adorou, e honestamente, desconfio do gosto deles. Pode gostar, mas não fala que é bom. Porque não é.

E, honestamente: CW > ABC Family (na fall season 2013).