Uma nova chefe. Novos problemas na divisão de homicídios de Los Angeles. Assim se define Major Crimes (TNT), o spinoff de The Closer (TNT), recém encerrada com com grande sucesso na TV a cabo dos Estados Unidos. E posso dizer que, depois de ver dois episódios da série, aqueles que eram fãs de The Closer não vão se decepcionar com a sua variante. Mesmo porque, muita pouca coisa mudou de uma série para outra.

Para quem não acompanhou nem 10 minutos de The Closer, tudo o que você precisa saber sobre Major Crimes é que a chefe Brenda Leigh Johnson (Kyra Sedgwick) foi substituída pela capitã Sharon Raydor (Mary McDonnell) na divisão de crimes graves ou prioritários. Mary tem a missão de aumentar a eficiência da divisão criminal, além de conquistar a confiança dos seus novos subordinados, que se acostumaram com o jeito de Brenda ao longo das sete temporadas. Tudo bem, demoraram para isso, mas se acostumaram.

Bom, com isso, você, leigo sobre o universo The Closer, pode assistir tranquilamente o piloto de Major Crimes.

A estrutura da série é basicamente a mesma. Caso do dia, investigação, atritos entre a chefe e seus subordinados, um suspeito é preso, ele é interrogado, aparece a contradição, e o caso é solucionado. No meio disso, existe o jogo de conflitos e interesses pessoais entre os detetives, e tudo isso com uma pitada de bom humor, que rende algumas risadas com situações inusitadas.

Como era de se esperar, a principal diferença entre as duas séries são as suas protagonistas. Enquanto Brenda Johnson era mais “pró-ativa” (para não dizer agitada demais), Sharon Raydor tem a fala mansa e o olhar quase maternal que uma mulher madura possui, condizente até mesmo com a idade da atriz (60 anos). O objetivo de Sharon na divisão criminal é fazer com que o departamento resolva os casos com um menor índice de tiros possível, e estabelecendo ao máximo o maior número de acordos possível com os criminosos dispostos a colaborar.

Todo o sucesso de Major Crimes está na carisma de sua protagonista. Se os fãs da série entenderem que Mary McDonnell não tem que ser Kyra Sedgwick (e não é, pois é bem diferente dela), a série, que já tem temporada completa de 10 episódios garantida, pode dar certo, ainda mais na TNT, que é um canal que consegue segurar bem a audiência de séries policiais. Do mais, todo o resto que já estava em The Closer está presente em Major Crimes. Até mesmo o babaca detetive Louie Provenza (feito pelo competentíssimo G. W. Bailey, que para quem não se lembra, fazia o hilário tenente Harris, na série de filmes “Loucademia de Polícia”).

Particularmente, gostei de Major Crimes. Apesar de não ser a minha praia as séries policiais do tipo “caso do dia”, eu recomendo que os saudosistas de The Closer deem uma chance para a nova chefe. Afinal de contas, ela é o único elemento novo da série. O entorno é o mesmo. Então, pensem que realmente a Brenda Johnson deixou a divisão, e que temos uma nova chefe no lugar. O restante da série segue o mesmo, e é isso o que importa.