Como fazer uma série que combine todos os tipos de elementos possíveis para que, sem dar muito trabalho e muito menos esforço para produtores e roteiristas, consiga atrair o máximo de audiência possível, atirando para todos os lados? Bom, essa longa pergunta pode ser respondida com Malibu Country, a nova comédia da ABC. E você aí achando que mais nada iria estrear nessa temporada… ledo engano…

A estratégia da ABC foi simples, mas bem descarada. Bom, sabe Last Man Standing? Aquela comédia com o Tim Allen, no estilo “papai sabe tudo, mesmo sendo o machão da casa”, que a Vana Medeiros (e sabe-se lá porque boa parte dos americanos) adora? Pois é. Alguém lá na ABC decidiu contar exatamente a mesma estória, só que na visão feminina. Bom, não é exatamente a mesma série, pois a origem dos personagens são outras, mas em grosso modo, é mais uma comédia familiar. O problema é que Malibu Country adicionou tantos elementos para atrair facilmente o público, que virou a série “estou atirando para todos os lados”, algo que os mais exigentes não vão aceitar muito bem.

A série conta a história de Reba McKenzie (Reba McEntire), que estava saindo de um casamento de 20 anos porque o seu marido decidiu traí-la em plena turnê (dele) com uma de suas backing vocals. Como queria ficar o mais longe possível dele para reconstruir a sua vida, decidiu sair de Nashville, Tennessee, onde abandonou a sua promissora carreira de cantora country para se dedicar ao casamento e vida doméstica, para viver uma vida no verdadeiro extremo da cultura interiorana norte-americana. O destino? Malibu, Califórnia. Ou seja, aqui, você já sacou porque a série se chama Malibu Country, e também já entendeu que a tônica da série será o conflito desses dois mundos: o do interior dos Estados Unidos, com seus costumes e tradições, e o “West Coast Style” da Califórnia, com as suas futilidades e oportunidades.

Reba segue para lá com os seus dois filhos, Cash (Justin Pretice), o adolescente burro e superficial, e June (Juliette Angelo), a adolescente rejeitada, que não tinha amigos. Sua mãe, Lillie (Lily Tomlin) vai junto, e logo descobre as maravilhas “nativas” do lugar (em forma de um pirulito), e tão rápido quanto humanamente possível, Reba se depara com Kim (Sara Rue), a sua vizinha loira burra de meia idade metida a MILF, que quer ser a todo custo a “mentora” de Reba, com o objetivo de ajudá-la a recuperar a sua carreira, ou na pior das hipóteses, ser tão fútil e superficial como ela em poucas semanas.

Percebam que aqui já temos diversos elementos que podem fazer com que facilmente o americano médio se apegue à série: o filho adolescente burro, a filha que sofre bullying, a MILF burra, Reba McEntire, a avó meio doida… faltava o que? O gay, oras! Toda série de sucesso hoje tem um gay, e em Malibu Country, esse papel é de Geoffrey (Jai Rodriguez), o assistente da gravadora onde Reba certamente vai gravar o seu álbum de triunfal retorno. Aliás, ao menos a série serviu para uma coisa: se você não associou nome à pessoa, Jai Rodriguez era um dos membros do finado reality show Queer Eye For The Straight Guy (Bravo). Ou seja, ele deixou de ser “o inútil mais bem pago da televisão” (palavras do Canal Sony).

Mas… e aí? Malibu Country é boa?

Na minha opinião, baseado pelo piloto, ainda não. Se quer ser boa, tem que melhorar, e muito. Ok, a comédia é simplesinha, bem “água com açúcar” (ou, nesse caso, balada country na praia), e não pede para você pensar nas piadas que são ditas. E esse não é o problema. As piadas do piloto são bem óbvias, o que as tornam quase sem graça. Talvez o melhor argumento foi o do filho da vizinha MILF que se diz gay para pegar a filha adolescente da Reba, mas mesmo assim, ainda falta um pouco de pimenta nesse negócio. Não que as piadas precisam ser picantes, mas elas precisam de um timing melhor, ou até mesmo serem melhor escritas em alguns casos.

A ABC certamente aposta na combinação de alguns elementos para que Malibu Country faça sucesso. O primeiro, eu já citei: vai na esteira de Last Man Standing na sua proposta inicial: série familiar, onde todo mundo pode sentar e assistir para dar boas risadas. O segundo é contar com nomes fortes como Reba McEntire, que é muito querida nos Estados Unidos, e Lily Tomlin, uma das maiores atrizes de todos os tempos. O terceiro está na lista de participações especiais relacionadas ao mundo da música country que deve participar da série, como Travie McCoy (já confirmado), Dolly Parton, Melissa Peterman, Kelly Clarkson e Blake Shelton (especulados). E, como o que interessa é conquistar o público do interior dos Estados Unidos, a aposta é correta e coerente. Até certo ponto.

Enfim, de qualquer forma, pode ser que a série melhore depois do piloto. Dificilmente vou seguir acompanhando, mas diferente de outras séries que definitivamente podemos chamar de péssimas logo de cara (olá, The Neighbors), acredito que Malibu Country teve um começo apenas ruim. Dá pra salvar? Dá! Mas vai ter que trabalhar muito pra isso. E, mesmo assim, não acho que tem muito gás para garantir uma temporada completa ou renovação.