A mãe do juiz é uma santa… mas o seu filho não passa de um (desculpe o termo, mas é oportuno para o tema) FDP!

A HBO Brasil estreou hoje (26) a sua primeira produção nacional seguindo as novas regras da Ancine, que prevê uma cota mínima de conteúdo nacional no horário nobre da TV paga brasileira. E (FDP) trouxe impressões muito boas. Para quem gosta de futebol, e para quem odeia o esporte.

Nove entre dez brasileiros gostam de futebol. O um está lendo esse blog nesse momento. Partindo daí, é importante dizer que (FDP) não é uma série sobre futebol. Logo, fiquem tranquilos, pois a parte onde aparece o jogo que você tanto odeia só aparece para ilustrar parte do drama do árbitro de futebol Juarez Gomes da Silva (Eucir de Souza), que por sinal tem uma certa semelhança física com o já aposentado árbitro Carlos Eugênio Simon, comentarista do canal Fox Sports. Na verdade, as cenas do jogo, além de muito bem produzidas, mostram o lado onde Juarez luta pelo seu sonho: apitar a final da Copa do Mundo. E, para isso, ele está prestes a alcançar o primeiro passo, que é apitar um jogo da Copa Libertadores, junto com os auxiliares de arbitragem.

Juarez vive um drama na sua vida pessoal. Está separado da mulher e luta pela guarda do filho. No meio do caminho, o destino faz com que o juiz que cuida do caso da guarda seja um diretor de um grande time da capital paulista, que está envolvido na final do campeonato que nosso protagonista vai apitar. Nesse ponto, Juarez vive o conflito de apitar em busca do seu sonho e dos seus colegas, ou para ter o benefício de garantir o filho ao seu lado.

O piloto mostra os personagens, e dá o tom que a série deve ter ao longo da temporada. (FDP), apesar de ter alguns momentos engraçados em algumas falas, é um drama de 30 minutos. Juarez não é uma pessoa feliz, e não pode permitir que sua situação momentânea da vida particular influencie no ofício de uma boa arbitragem. Massacrado pela mulher (que ele traiu, que fique claro), ele segue em frente no seu propósito de fazer o melhor trabalho possível dentro de campo. E tem problemas com isso.

Esteticamente, (FDP) tem a cara da HBO. A série é muito bem feita, muito bem filmada, com uma ótima integração das cenas do jogo real com o jogo da série. Quase não se percebe que é uma montagem, pois o padrão de gravação de todas as cenas foi o mesmo. Não dá para falar muito dos personagens (ainda), mas o saldo geral do piloto é muito bom.

Enfim, gostei de (FDP). Muito. É ótimo ver que a HBO Brasil colocou no ar mais um produto interessante na TV, com alta qualidade. Para mim, que diferente de você, gosta de futebol, vai ser fácil assistir a série. E mesmo para aqueles que odeiam o esporte, acho que vale ao menos a pena ver o piloto. O final do episódio mostra de forma interessante como é irônico o provérbio “regra é regra”, e que muitas vezes, aquele que é o “FDP”, não usa apito, não é cego, ou não é aquele que ferra com o seu time.

E vamos assim perceber que nem todo juiz de futebol é um “FDP”. Alguns vivem bem mais ferrados do que eu e você. Dentro e fora de campo.