“Continuum” é o novo drama policial do canal canadense Showcase, centrado na vida de Kiera Cameron (Rachel Nichols, “Criminal Minds”), uma policial vinda 65 anos no futuro que agora se encontra presa na atual Vancouver. Ela está sozinha, uma estranha numa terra estranha, e tem oito dos criminosos mais cruéis do seu futuro, conhecidos como Liber8, soltos pela cidade.

Kiera, através do uso de seu CMR (recuperação da memória celular), uma tecnologia de chip líquido futurista implantado em seu cérebro, se conecta com Alec Sadler (Erik Knudsen, “Jericho”), um gênio de 17 anos de idade. O primeiro desejo de Kiera é voltar para casa. Mas até que ela descubra uma maneira de fazer isso, deve sobreviver no nosso período de tempo e usar todos os recursos disponíveis para rastrear e capturar os terroristas, antes que eles alterarem a história o suficiente para mudar o curso do futuro.

Kiera sabe que os oito terroristas recorrerão a atividade criminosa para promover seus objetivos de derrubar as corporações que, um dia, governarão o mundo. Seu objetivo é matar ou capturá-los antes que eles possam transformar o mundo de cabeça para baixo.

Para Kiera, só há uma organização que possa ajudá-la a caçar Liber8, e através de uma jogada inteligente, consegue trabalhar com o Departamento de Polícia de Vancouver. Na parceria com o detetive Carlos Fonnegra (Victor Webster, “Castle”) da Unidade de Investigações Especiais, Kiera está estrategicamente posicionada para ouvir sobre as atividades do Liber8 e esperar para agir.

Como Kiera, Carlos é um policial com paixão pela justiça. Eles são de lugares totalmente opostos no aspecto ideológico. Em 2012, Carlos acredita na justiça para o indivíduo enquanto Kiera, vinda de 2077, acredita na justiça para a corporação. Isso gera faíscas em muitos níveis: trabalho, visões de mundo político e ainda emocionalmente. E embora eles tenham um início tumultuado, há uma confiança inerente que floresce entre eles. Kiera, educada e treinada para sempre depender de sua tecnologia, descobre que, em sua relação com Carlos, terá de aprender a ouvir seu instinto pela primeira vez.

A série não inova no sentido da viagem temporal, mas atualiza o conceito representando o passado em nossos dias atuais. Destaque especial para o ator William B. Davis, um dos maiores vilões do inesquecível “X-Files”, no papel de Alec Sadler de 2077.