58 anos antes de “Battlestar Galactica”, “Caprica” mostra duas famílias rivais – os Graystones e os Adamas. À medida que crescem, competem e prosperaram no mundo vibrante e pacífico das 12 Colônias. Envoltos na tecnologia emergente de inteligência artificial e robótica que acabará por levar à criação dos Cylons, as duas casas irão se enfrentar, misturando ação com conspiração corporativa e política. “Caprica” mostra intrigas, calúnias e os conflitos familiares.

Daniel Graystone (Eric Stoltz, “Grey’s Anatomy”), um gênio da computação, é proprietário de uma grande empresa que está liderando o desenvolvimento da inteligência artificial. Ele e sua mulher Amanda (Paula Malcomson, “CSI”), que é uma médica brilhante, são implacáveis em suas atividades científicas. O clã Adama é dirigido por Joseph Adama (Esai Morales, “Jericho”), um famoso advogado criminal de defesa e pai do futuro comandante da Galactica, William Adama (Sina Najafi, “Smallville”). Quando uma tragédia atinge ambas as famílias, são desenhadas linhas que irão determinar o destino da raça humana.

Caprica me mostrou um mundo novo e inesperado. Como nunca tinha visto nada de Battlestar Galactica, não conhecia nada deste universo magnífico. A série está diretamente conectada à BSG, principalmente no que diz respeito à criação do primeiro Cylon, o qual ainda trará grande surpresa à familia Graystone. Estou agora começando a ver BSG e achando fantástico. Vale a pena conferir!