Bad-Teacher

Bad Teacher | CBS | Comédia | 2014

Bad Teacher é uma série que, ao mesmo tempo, é de difícil compreensão, mas de simples assimilação. De verdade. A nova comédia da CBS certamente vai dividir povos com gostos e percepções diferentes de comédia. E como eu não caio mais nesse truque, serei obrigado a mostrar os dois lados da moeda nesse post de primeiras impressões.

A série é baseada no filme “Professora Sem Classe”, e parte da mesma premissa inicial do longa. Temos como personagem central Meredith Davis (Ari Graynor), uma “MILF” (sério, MUITO MILF… parabéns, CBS) recém divorciada, que saiu sem nada do casamento, mesmo alegando que foi traída/trocada por uma ninfetinha. Sem muitas opções para ganhar dinheiro (até porque aparentemente ela nunca fez nada na vida), Meredith decide que precisa encontrar uma nova forma de sustentar a si e sua filha, Lily (Sara Rodier). E a melhor forma de alcançar esse objetivo é encontrando novo marido. De preferência, divorciado. De preferência, rico. Óbvio.

O que surpreende é que Meredith descobre que a forma mais “fácil” de conseguir isso é se tornando professora no colégio da própria filha (detalhe: ela simplesmente pegou os dados de outra professora formada e forjou o currículo perfeito… com a ajuda de um belo decote, é claro), para fisgar os pais divorciados que vão buscar as filhas para passar o final de semana com eles.

O plano seria “perfeito”, se ela não fosse o centro das atenções de todos – literalmente -, com suas roupas provocantes, o seu balançar de cabelo/peito/bunda, as suas músicas enaltecendo as vadias, e a sua atitude de mulher fatal. Alunos, professores, diretor de escola e até professoras rapidamente se interessam pelos “talentos” de Meredith, que até serve para alguma coisa: levantar a auto estima das alunas menos populares da escola.

badteacher

Olha… é difícil definir Bad Teacher.

Se fosse em outros tempos, eu diria que o piloto da série é simplesmente horrível, que não acrescenta em nada, e que a série não vai vingar. E é capaz que não vingue mesmo: a sua demo no episódio piloto foi a segunda pior de uma estreia da CBS na temporada, só ficando acima do lixo chamado We Are Men. Logo, não é nenhuma vitória. Pelo contrário: é para ligar o sinal de alerta desde já.

Por outro lado, como estou tentando viver uma fase da minha vida onde busco ver as coisas por uma outra perspectiva, eu posso dizer que Bad Teacher é tão bagaceira, que “dá a volta”. Conforme o piloto avança, você começa a rir de algumas bizarrices apresentadas pela série, e até tem empatia pela protagonista (que está lá mesmo para fazer o papel da MILF pegadora, sem pudor algum).

Alguns vão achar o piloto detestável, pois em uma das cenas a protagonista se mostra toda lânguida e oferecida para os pais dos alunos, além de contar uma história com um tema adulto para justificar a sua mentira. Por outro lado, saiba que a CBS deu uma bela suavizada no perfil da “Bad Teacher”, focando apenas no fator “sou MILF gostosa”, enquanto que no filme a coisa é bem mais “pesada”, por assim dizer.

Tudo bem, o piloto como um todo é ruim. Mas não é uma porcaria. E é isso que me deixa confuso. Até mesmo para dar uma opinião sobre o que acabei de ver.

Entendo assim: eu imagino pessoas como o @edu_sacer simplesmente amando essa série. Ela segue a linha “Trophy Wife” (mulher de meia idade gostosa, que se vira para cuidar da filha), com um quê de “Cougar Town” (mulher de meia idade que é o centro das atenções), com uma pegada de algo que ainda não detectei (quem sabe 2 Broke Girls, pela bagaceira). Ou seja, coloca tudo isso no liquidificador, que você tem Bad Teacher.

Não acho que vai vingar na grade da CBS com essa baixa audiência. Mas se serve de parâmetro, dá de dez a zero em cima de We Are Men. Logo, não custa tentar.