O que falar de 24 Horas (FOX), após o seu cancelamento anunciado?

Bom, antes de mais nada: não mudo nenhuma linha do que escrevi na semana passada sobre a série. A temporada ainda tem o que melhorar para terminar em um nível satisfatório. Para isso, ainda restam 11 episódios. Mas este post é mais um registro do tamanho do impacto que esta série deixa na história da TV e da cultura pop. Com certeza, ela entra em qualquer lista de uma das 10 maiores séries de todos os tempos, e os fatos de toda a sua trajetória provam isso.

Pra começar, 24 Horas apresentou ao telespectador um conceito inovador para as séries dramáticas: a narrativa da história em tempo real, ou seja, mesmo com os intervalos comerciais, as ações da história continuam acontecendo em tempo real (10 minutos de distância do ponto A para o ponto B são REALMENTE 10 minutos, por exemplo). Centrar uma série em um personagem não é algo novo, mas poucos personagens de séries são tão impactantes e difundidos na cultura pop quanto Jack Bauer (Kiefer Sutherland). Jack Bauer saiu do nível de personagem comum para ser ícone de uma geração de telespectadores, sendo o personagem mais memorável dos últimos 10 anos na TV, e um dos maiores personagens televisivos de todos os tempos.

24 Horas elevou o nível de produção televisiva. É uma série de altos custos de produção, com episódios de orçamentos que superam os US$ 20 milhões e, por muitas vezes, usando recursos que são muito difíceis de se conseguir (caças da força aérea norte-americana, por exemplo). Mas em compensação, é uma produção impecável, com cenas de ação espetaculares, fotografia e edição excepcionais e com a maioria das temporadas com roteiros muito bem escritos, detalhados e bem amarrados (sim, eu disse a maioria das temporadas). Financeiramente falando, 24 Horas foi um alto risco da FOX que deu certo. A FOX precisava de um megahit nas séries dramáticas (nas séries de comédia, já estavam indo muito bem com That 70’s Show e The Simpsons), e 24 Horas caiu como uma luva em seus planos. Já disse isso antes, e falo sem medo de erros ou críticas: se 24 Horas não tivesse dado certo, outras séries de alto orçamento e produção elaborada e detalhista JAMAIS SAIRIAM DO PAPEL. Foi o início de uma nova fase na TV, não só para o telespectador, mas para a indústria da televisão em si. Os canais tiveram que elevar o nível de suas histórias para entrar nesta nova fase que estava nascendo.

O sucesso de 24 Horas se refletiu nos demais segmentos de mídia, em um volume de variantes que até então outras séries não alcançaram: série para celular, web série (3 web séries), 5 CDs de trilhas sonoras de temas da série, além de faixas exclusivas para o iTunes, pelo menos 20 livros sobre a série (entre histórias baseadas na série, biografias oficiais e não-oficiais e roteiros alternativos publicados em editoras), 5 graphic novels, jogo para videogame, para celular e jogos de tabuleiro, diversos brinquedos e action-figures, paródias e referências nos principais produtos televisivos dos EUA (incluindo o premiado episódio dos Simpsons, 24 minutes), uma bebida energética e um filme para o cinema em estágio de produção. Isso sem falar que a série, de forma indireta, ajudou a eleger o primeiro presidente afro-americano da história (ou você ainda acha que não?). A partir de 24 Horas, as emissoras começaram a trabalhar as suas séries de forma mais intensa em outros segmentos de mercado, e a lucrar com estes outros segmentos de forma mais competente.

Por fim, 24 Horas entra para a história como uma das séries mais bem sucedidas de todos os tempos, tanto em público como em crítica: em todos os anos de sua existência, ela foi indicada ao Emmy Awards (e mesmo no ano em que não tivemos temporada da série, ela estava representada na premiação pelo telefilme 24:Redemption, que faz parte do contexto da história da série). Foram cinco prêmios Emmy (incluindo o de melhor série dramática em 2006), dois Golden Globe Awards (incluindo o de melhor série dramática em 2003), quatro prêmios SAG (Screen Actors Guild) e quatro Satellite Awards (incluindo o de melhor série dramática em 2001).

O ciclo de 24 Horas se encerra, para entrar na eternidade. Poucas séries mudaram de forma tão direta a história da TV e a história de uma nação como esta, e isso a credencia como uma das melhores e maiores de todos os tempos. Para os fãs da série, restará a satisfação de testemunharem um produto televisivo único, singular, especial. Para quem ama o produto televisão, fica o pesar por esta história chegar ao seu final, mas a certeza de que a série cumpriu com seus objetivos. 2010 marca o fim de uma era na TV. A era de Jack Bauer e 24 Horas.