Netflix

 

Todos amam a Netflix. Inclusive os canais de TV aberta brasileiros (nem todos, alguns deles).

SBT, Record e RedeTV criaram a empresa Simba, e em conjunto, querem negociar a exibição de seus conteúdos na Netflix.

Se der certo, o serviço de streaming passaria a oferecer novelas, jornalísticos e produções originais desses canais. Realitys com formatos comprados, como MasterChef (Band) e Hell’s Kitchen (SBT) não entram no catálogo, mas os mesmos podem ser vistos no YouTube, em canais oficiais das próprias redes de TV.

A Simba também quer fechar uma parceria com a Amazon.

 

O objetivo do trio é fugir do mercado da TV paga, e buscar outras formas de receita.

O consumo televisivo por streaming só cresce, e uma parceria com Netflix ou Amazon é uma garantia de receita certa através dos assinantes dessas plataformas, uma vez que o número de assinantes da TV paga no Brasil cai ano após ano.

Por outro lado, as operadoras não gostam nada dessa iniciativa. Além de perderem os assinantes, agora começam a perder conteúdo e canais.

Falamos recentemente da crise envolvendo a SKY Brasil, que deve perder os canais do grupo Fox por conta de discordância dos valores de distribuição desse conteúdo em sua plataforma.

A mesma Fox já oferece as suas séries online, em plataforma própria.

A tendência é que cada vez mais os canais ofereçam alternativas online para o telespectador consumir o seu conteúdo.

E, com isso, a TV paga deixa de ser a última bolacha do pacote, em um mercado muito mais versátil e democrático.