Chuck Berry

 

Chuck Berry faleceu, aos 90 anos de idade.

A notícia poderia passar batido se fosse um cara qualquer. Mas estamos falando de um dos pais do rock, e um dos músicos mais influentes da história da música contemporânea. Ele não era qualquer um.

Apenas para você ter uma ideia da influência desse cara, ele era um dos preferidos tanto dos Beatles como dos Rolling Stones. A escolha poderia ser bem óbvia, já que estamos falando de duas das bandas de rock de todos os tempos. Mas é especial também pelo mesmo motivo.

Chuck Berry influenciou praticamente tudo o que veio depois em termos de rock. A rebeldia, os sons distorcidos, os riffs, a atitude desafiadora. Tudo o que tinha nele foi visto em praticamente todas as bandas que fizeram sucesso nos 60 anos subsequentes.

Aliás, Berry era um cara que seguia se desafiando. Estava se preparando para lançar um novo álbum de músicas inéditas, onde ele afirmava que havia se preparado por anos para esse disco, que fatalmente seria o último de sua carreira. De fato, ele chegou a afirmar para a esposa (com quem ficou casado por 68 anos, algo raro em se tratando de um rockstar) que trabalhou tanto nesse álbum que poderia se aposentar depois disso.

Chuck Berry deixa um legado inestimável para a música e para a cultura pop. Todo mundo se lembra da cena de Marty McFly em “De Volta Para o Futuro”, virado no jiraya ao som de Johnny B. Goode…

 


…assim como fatalmente vão se lembrar de John Travolta e Uma Thurman, virados na bebida e na cocaína, dançando de forma descontraída ao som de You Never Can Tell.

 

 

 

Essas são apenas duas provas claras que Chuck Berry será eterno. Sua obra vai nos acompanhar até o fim dos nossos dias.

E tudo o que podemos dizer nesse momento é “muito obrigado, Chuck… vai fazer falta por aqui…”.