Netflix

 

Mais amor, por favor!

Pode parecer estranho ver um serviço bem sucedido como a Netflix receber críticas. Mas pode acontecer. E as mais recentes críticas (em forma de vaias) apareceram durante o Festival de Cinema de Cannes.

Tudo tem uma razão de ser.

O evento de cinema tem sido o palco de uma voraz batalha entre as tradicionais produtoras de conteúdo contra os serviços de streaming. As associações de cinema da França reprova o fato do Festival de Cannes ter selecionado um filme produzido por uma plataforma digital, que sequer será exibido nos cinemas do país.

Para completar, o filme Okja, que tem no seu elenco Tilda Swinton e Jake Gyllenhal, foi exibido no festival no formato errado, o que gerou uma grande vaia em sua exibição em Cannes, além de mais protestos.

Aqui, entra aquela velha polêmica, através de uma questão que nunca é respondida: por que os estúdios de cinema não se atualizam?

Vale lembrar que um dos motivos para que Okja não seja exibido na França é por conta de uma lei francesa que exige que os filmes exibidos nos cinemas só possam ser lançados nas plataformas de streaming 36 meses após a sua estreia no cinema.

Isso mesmo: de forma legal, os franceses precisam esperar três anos após a sua exibição nos cinemas para assistir aquele mesmo filme em um formato digital.

Por mais fã de cinema que a pessoa possa vir a ser, é uma batalha perdida tentar impedir que as pessoas tenham acesso a esses mesmos conteúdos nas plataformas de streaming.

Quem quer ir ao cinema para ter a experiência cinematográfica (mesmo que em alguns casos ela fique abaixo do desejado) não vai deixar de ir porque um o mesmo filme estará disponível na Netflix.

Quem ama cinema vai no cinema de qualquer jeito. Fato.