debate-presidencial

 

Não… eles não estão em uma battle round do The Voice…

Poucas vezes um evento televisionado me deixou tão irritado e enojado. Quando você pensa que um debate político no Brasil é uma das piores coisas que você pode testemunhar, você vê que Donald Trump e Hillary Clinton estão usando muito bem a pá dentro do fundo do poço que é essa campanha eleitoral à presidência dos Estados Unidos.

Ontem (9), a TV norte-americana (em via de regra, todos os principais canais abertos e pelo menos a CNN e o Fox News) exibiu o segundo “debate” (sempre entre aspas, pois aquilo não é debater ideias) entre os dois protagonistas, e deixando de lado os aspectos técnicos, o que testemunhei foi o grande chorume de duas personalidades deploráveis.

 

 

Anderson Cooper colocou lenha na fogueira (ou aumentou o chorume no lixo)

 

screen-shot-2015-10-14-at-8-52-05-am-862x469

 

O jornalista Anderson Cooper (CNN) foi um dos mediadores do “debate”. E logo de cara lançou a pergunta que a América queria fazer: o que Donald Trump tem a dizer sobre as declarações feitas 11 anos antes sobre como ele via e tratava as mulheres.

Acho que a pergunta deveria ser feita sim. É uma das regras do bom jornalismo: ouvir o outro lado. Porém, Trump disparou mais uma vez a sua metralhadora de verborragias e posicionamentos misóginos.

Ameaçou prender Hillary se fosse eleito, acusou a adversária de ter ódio no coração, afirmou que Bill Clinton foi o presidente que mais assediou mulheres…

Hillary não ficou muito atrás. É claro que se defendeu de Trump (nem era preciso na verdade: ele fala tanta merda, que por si isso é uma defesa), mas todos sabemos que a questão do uso de sua conta de e-mail pessoal para fins do governo ainda a assombra.

Tudo bem, não é tão sério quanto pregar o ódio aos imigrantes, latinos, negros, homossexuais e mulheres… mas Hillary mentiu sobre a questão. O que impede que ela o faça de novo?

 

Um show de horrores lamentável

 

A troca de acusações de aspecto pessoal entre os dois candidatos durou pouco mais de 30 minutos, e o “debate” estava programado para 1h30. Tempo perdido. Meu, inclusive.

Entendo que não teremos muitas propostas de soluções vindas desses dois, e quem fez sua escolha dificilmente vai mudar de ideia.

Entendo que Hillary Clinton será a próxima presidente dos Estados Unidos, nem tanto por conta de seus méritos, mas principalmente porque o outro candidato não tem condições de ser líder da maior nação do planeta.

E até acho que Donald Trump entrou nessa sabendo que não poderia vencer. Está nessa pelo marketing e visibilidade.

Tal e como fez ao comandar o The Apprentice por tantas temporadas.