tv_trend_alert-_the_word_canceled_has_been_canceled_split-h_2016

 

Cancelar uma série é algo que um canal não quer fazer, mas precisa. Porém, para não sujar o filme de ninguém, os executivos dos canais estão evitando usar o termo, adotando alternativas e expressões até criativas para decretar que uma produção está encerrada.

Em tempos onde a linha entre o sucesso e o fracasso está mais tênue do que nunca, os canais de TV estão sendo mais cautelosos para anunciar o cancelamento de uma série.

Informar a redução de uma encomenda de episódios ou não encomendar novos episódios de uma produção é o mesmo que condenar uma série para uma morte lenta, mas sem decretar o seu cancelamento em definitivo.

Essa tendência de terminologia estreou no ano passado, e na atual temporada a tática continua a ser adotada com frequência.

Só na ABC temos dois exemplos: Notorious teve sua encomenda de episódios reduzida de 13 para apenas 9, e no dia 8 de novembro, o canal confirmou que Conviction não teria uma nova encomenda de episódios (pelo menos não imediatamente).

Mais: a ABC deixou como opção de renovação com o elenco do drama legal para a próxima temporada.

Sem falar que enviar os demais episódios de Selfie para serem exibidos no Hulu e no ABC.com no passado não foi uma ideia tão ruim assim.

 

Os novos termos (não muito conhecidos do grande público)

 

Trimmed = redução de encomenda de episódios

Notorious (ABC), Making History (Fox) e Imaginary Mary (ABC)

 

Fora da grade, mas que serão exibidas em um momento posterior (em alguns casos esse “momento posterior” nunca chegou)

Angel From Hell (CBS, 2015), Wicked City (ABC, 2015), The Assets (ABC, 2014)

 

Os episódios restantes serão exibidos no Hulu (ou em outra plataforma por streaming)

Selfie (ABC, 2014), Manhattan Love Story (ABC, 2014), Don’t Trust the B—- in Apt. 23 (ABC, 2013)

 

Nesse momento, canceladas

Of Kings and Prophets (ABC, 2015), Welcome to the Family (NBC, 2013), We Are Men (CBS, 2013)