Lee MasterChef Brasil

Um dos competidores da terceira temporada de MasterChef Brasil (Band) mais populares entre os internautas brasileiros foi eliminado no episódio exibido ontem (26). Lee colocou manteiga demais no sorvete, e encerrou sua trajetória no programa.

Um dos questionamentos que algumas pessoas já fazem a essa altura dos acontecimentos é: Lee durou demais em MasterChef Brasil?

 

Quem sou eu para julgar?

As pessoas se esquecem que o maior segredo do sucesso de um reality competition de culinária (qualquer um deles, não importa qual) é o fator subjetividade. Diferente de um Big Brother, de um American Idol #saudades ou de um The Voice, o telespectador não tem qualquer tipo de poder sobre a competição.

Não é uma exclusividade das competições culinárias. Realitys como Survivor (CBS) e The Amazing Race (CBS) também adotam a mesma estratégia, e se mantém no ar com audiência fiel e consolidada. Logo, não dar poder à audiência traz audiência.

O que torna os realitys de culinária ainda mais instigantes é que, literalmente, tudo é uma questão de gosto. A subjetividade aumenta porque o que é legal para o chef Fogaça pode não ser para mim. E isso instiga ainda mais o telespectador a questionar as decisões dos especialistas.

 

Poderia ter saído antes? Sim. Porém…

No caso específico de Lee, eu mesmo entendi que alguns competidores eram mais capacitados para avançar na atual temporada de MasterChef Brasil. Mas depois de três anos, entendo claramente que a grande maioria das eliminações não se baseiam mais pelo fato do prato ser gostoso ou não.

Para a maioria dos mortais, aqueles pratos só são ruins em casos de desastre. Já os chefs buscam os detalhes. E em uma fase tão avançada da temporada, quem erra menos acaba sobrevivendo.

Lee se manteve no programa porque outros competidores cometeram erros pontuais que resultaram em eliminações. Mas isso aconteceu com os demais sobreviventes. O asiático também surpreendeu com pratos muito bem elaborados, o que também aconteceu com os seus adversários.

Logo, chegou até aqui por mérito. E também pela mecânica do programa.

Ou seja, as pessoas podem parar de chorar o leite derramado. A vida é assim mesmo. MasterChef Brasil também.