Breaking Bad - Walter White

O ano está chegando ao fim. Hoje (27) estou efetivamente indo para a minha merecida viagem de férias. Enquanto eu fico alguns dias na praia, pedi para os colaboradores do SpinOff.com.br preparar as suas listas de melhores e piores séries de 2013. Ao longo desses últimos dias do ano, mostraremos nossas listas. Nesse caso, é a minha vez de apontar aquelas que eu considero algumas das melhores séries do ano que está chegando ao fim.

É sempre importante lembrar para os seres de mente mais fraca: essa é uma lista pessoal, é a minha opinião, e não vai mudar muito em função de você não concordar com as escolhas aqui feitas. O que você pode fazer no lugar de reclamar é indicar as suas melhores séries na área de comentários. Aliás, é bem mais construtivo do que ficar de #mimimi porque o seu gosto não bate com o meu.

Conversados? Vamos lá.

10. The Voice (USA)

Eleito o melhor reality competition no Emmy Awards 2013 (chupa, @edu_sacer), The Voice se consolidou esse ano como o melhor reality musical da TV norte-americana. É hoje o programa que mais dá audiência para a NBC (exceto o Sunday Night Football, que é um programa esportivo), e não só pelos números produzidos. Mark Burnett soube mexer na hora certa nas peças dos treinadores, e a sua proposta é mais “genuína” no que realmente importa em um reality musical: a capacidade de descobrir talentos musicais. Pena que a versão nacional seja exatamente o contrário de tudo o que escrevi aqui, mas falarei mais sobre isso em outra oportunidade.

9. Orphan Black

A série da BBC America foi uma grata surpresa para mim. Confesso que não dava muito pela série, mas depois de ver o piloto, vi o quanto estava enganado. Uma trama intrigante, instigante, interessante e, principalmente, diferente de tudo o que eu estava vendo naquele momento. Era tudo o que eu precisava. Tatiana Maslany está simplesmente soberba na sua atuação (ou atuações, já que são várias personagens), e é uma das melhores produções de 2013 que conta com ficção científica como pano de fundo para a sua trama. Mais do que recomendada.

8. Bates Motel

A série que conta as origens de Norman Bates como o serial killer obcecado pela própria mãe foi outra grata surpresa de 2013. Mesmo com algumas “barrigas de roteiro” (e com a presença de Nestor Carbonell e o seu cajal no olho), Bates Motel apresentou uma primeira temporada bem consistente, principalmente nas atuações de Freddie Highmore e Vera Farmiga. Aliás, Farmiga praticamente tomou a série de assalto como mãe de Norman, com uma interpretação impecável. Enfim, uma das boas novidades da temporada.

7. Hannibal

Quem diria… a NBC, o canal que tem “o buraco negro” nas quintas de comédia dos EUA, apresentou para a sua audiência o começo da história de Hannibal Lecter, um dos serial killers mais famosos da história do cinema. A série Hannibal é, talvez, a proposta mais ousada e arriscada do canal do pavão nos últimos dez anos. Tinha tudo para dar errado, já que a NBC consegue ferrar muita coisa. Não teve essa audiência toda, e mesmo assim (e para a minha alegria), foi renovada. E tinha que ser: é uma das séries de TV aberta que mais se aproxima da estética e proposta das séries da TV paga da atualidade, com um roteiro bem construído, personagens interessantes, e atuações impecáveis. Exceto o Laurence Fishbourne, é claro!

6. Orange is the New Black

2013 foi o ano em que a Netflix se consolidou como uma das alternativas em séries originais na internet. E uma das séries que ajudaram nessa estratégia foi Orange is the New Black. A comédia de humor negro que mostra a história da bem sucedida empresária que passa uma temporada na prisão por contado seu passado obscuro não só apresentou uma trama muito interessante, mas personagens muito carismáticos. Resultado: a série teve um alcance maior do que House of Cards (que, por sinal, ainda vai aparecer nessa lista).

5. Modern Family

A melhor e mais premiada comédia da atualidade. Depois de quatro temporadas, Modern Family ainda consegue entregar as típicas (algumas bizarras) situações que podem ou não acontecer com qualquer família moderna. E, somando isso com a carisma de seus personagens, conseguem criar um vínculo único com sua audiência. E a quinta temporada em curso apenas confirma que repetir a fórmula e “entregar mais do mesmo” não é algo ruim. Principalmente quando as pessoas estão gostando do que estão vendo. Já é forte candidata a levar o Emmy Awards 2014 de Melhor Série de Comédia.

4. Homeland

Tá, eu sei, e concordo com você: Homeland teve uma terceira temporada “estranha”, na maior parte do tempo. Porém, não há como ignorar que a coragem de Alex Ganza, Howard Gordon e toda a equipe de roteiristas da série nessa mesma terceira temporada é digna de aplausos. Por mais que alguns argumentem que a série possui uma narrativa lenta, com alguns episódios onde (aparentemente) nada acontece, Homeland tem um roteiro simplesmente impecável, onde tudo se amarra, com soluções bem construídas para cada situação. E o principal: eliminar um dos personagens mais importantes da série era algo esperado, mas mesmo assim, necessário e inteligente.

3. Veep

Se você não assiste Veep, depois de Julia Louis-Dreyfus vencer dois Emmys por interpretar Selina Mayer, você não sabe o que está perdendo. A comédia política da HBO não vive apenas da ótima e atrapalhada vice-presidente dos Estados Unidos. Combinando um elenco muito equilibrado com situações minimamente alinhadas com o atual cenário político do país, com eventos patéticos e/ou vergonhosos, Veep consegue oferecer um humor inteligente e sarcástico na medida certa. E sim… eu quero ver Selina Mayer como Presidente dos Estados Unidos. E, se possível, com Leslie Knope como vice-presidente.

2. House of Cards

House of Cards fez história em 2013. Mostrou ao mundo que a Netflix está mesmo disposta a desbancar a HBO, mesmo que suas séries não sejam exibidas na TV. Mostrou que a internet pode sim oferecer um entretenimento de qualidade através do streaming de vídeos (que, no final das contas, pode ser visto na TV). E o mais importante: ofereceu ao público uma das séries mais completas de 2013. Uma temporada soberba, com atuações excepcionais (principalmente de Kevin Spacey e Robin Wright), e uma produção digna de uma série… da HBO!

1. Breaking Bad

Eu não preciso me explicar muito nessa primeira posição, mas vou fazer isso só pelo prazer de falar bem da melhor série dos últimos 10 anos. Digam o que quiser: que é série do hype, da modinha, do bando de “paga pau”. Breaking Bad é foda pra c*r*lho, desde a primeira cena, até a última. Bryan Cranston fez em Walter White o trabalho de sua vida. Aaron Paul teve uma atuação impressionante, com uma evolução notável ao longo da série. Sem falar nos demais membros do elenco, que de forma equilibrada, coesa e com muito talento, apresentaram uma das melhores séries que a TV já viu. A temporada final deu uma aula de como contar o último ato de uma história que, sem medo de errar, foi uma das mais impressionantes que vi em toda a minha vida.