Friends Seasons 1-10

Não sei como começar esse post. Mas vou tentar. Vou começar dizendo que, em 22 de setembro de 1994, nem a NBC apostava muito no sucesso de Friends. Ok, o canal promoveu a série, colocou no ar, recebeu críticas no começo por ser uma comédia meio sem graça e descompromissada… enfim, o tempo passou, e quando ela terminou, em 2004, estava consolidada como uma das melhores comédias da história, e a mais popular da sua geração. Talvez uma das últimas grandes sitcoms de todos os tempos.

Talvez a NBC já estivesse influenciada demais pelo momento das novas séries em histórias baseadas em Nova York. Todos os canais estavam explorando histórias de pessoas que viviam na maior cidade do planeta para vencer na vida, pelos mais diferentes motivos. A NBC então… já contava com um monte de séries desse tipo. Então… por que mais uma? Por que contar a história de seis amigos vivendo em Nova York, tentando construir suas carreiras profissionais no início da vida adulta?

Porque nem a NBC imaginava que isso influenciaria toda uma geração.

Ok, eu não quis ir para Nova York. Tá, eu quis ir para São Paulo (que era o mais parecido na época). Não deu muito certo. Mas nem por isso eu desisti de acompanhar essa história. Aliás, eu descobri Friends em 1998, quando ela já era uma série consolidada, e em exibição no Brasil no Canal Sony (que ainda se chamava Sony Entertainment Television… #saudades).  Ao ver a série pela primeira vez, eu disse para mim mesmo “é isso o que eu quero ver na TV”.

Friends fez tanto sucesso porque, para começar, apresentava uma proposta de comédia focada no novo. No jovem adulto. Naquele modelo de início de idade adulta que os jovens da minha idade gostariam de ser. Era uma série com proposta mais descolada, onde os conflitos eram mais palpáveis (falta de grana, dificuldades para pagar as contas, de arrumar um bom emprego, etc), mesmo sendo claramente focada nos relacionamentos amorosos fracassados.

Depois, Friends foi explorando ao longo das temporadas aquilo que a série tinha de melhor: o carisma dos seus personagens principais. Com dois ou três episódios, você já conhecia todo mundo, já se sentia próximo de alguns deles, e já dava algumas risadas das piadas cretinas de Chandler, muitas delas com referências à cultura pop contemporânea. Aliás, Friends foi muito bem sucedida em mostrar o mundo em que o jovem adulto estava vivendo, sem receito de citar marcas, locais e referências de diversos segmentos.

Tudo isso foi consolidando a série como um grande ícone pop da década de 1990. As pessoas começaram a não só assistir a série, mas consumir os seus produtos, usar as mesmas roupas, o corte de cabelo (Jennifer Aniston odeia isso até hoje), usar as gírias, e reproduzir todos os sintomas que denotavam que a série era um sucesso.

Mas a grande sacada de Friends veio com uma decisão bem simples. Uma frase que perdurou por sete temporadas, e que foi parte do fio condutor dos acontecimentos da trama depois que ela foi dita. E essa frase foi…

We were on a break!

Ross e Rachel foram o casal com mais idas e vindas da série. Tantas, que chegou a irritar muita gente lá pela oitava temporada. Porém, sem esse movimento por parte dos roteiristas, os demais personagens corriam o sério risco de simplesmente serem soterrados pela relação dos dois. Felizmente, por conta desse rompimento, cada um dos demais personagens da série tiveram grande destaque em pelo menos uma das demais temporadas.

Phoebe teve os sobrinhos do próprio irmão, Rachel estragou o casamento de Ross no Reino Unido, Chandler e Monica se apaixonaram – e se casaram depois disso -, Joey se apaixonou por Rachel, que depois teve um filho de Ross… tudo isso mudou drasticamente a vida dos seis amigos, dando para a série uma dinâmica e uma alternância de situações poucas vezes vistas nas sitcoms. Friends é uma das poucas séries da história onde todos os personagens conseguiram ser protagonistas em algum momento da trama, mesmo que todos se colocassem como coadjuvantes na maior parte do tempo.

Friends se tornou um sucesso absoluto de crítica e público. Depois de 10 temporadas e 236 episódios, a série tem no currículo o Emmy Awards 2002 por sua melhor temporada (a oitava), está na 21ª posição da lista do TV Guide das 50 melhores séries de TV de todos os tempos, a 7ª posição da mesma lista da Empire Magazine, 24ª da lista do Writers Guild of America dos 101 melhores séries roteirizadas de todos os tempos, e a 28ª posição da segunda lista do TV Guide das 60 melhores séries de TV de todos os tempos.

Além disso, com exceção da primeira temporada, todas as demais temporadas de Friends ficaram entre as cinco séries mais vistas dos EUA entre os anos de 1995 e 2004 (a 8ª temporada, entre 2001 e 2002, foi campeã de audiência), e o seu series finale é, até hoje, um dos mais vistos de todos os tempos. Por fim, os leitores do TV Guide Magazine elegeram o elenco da série o melhor de todos os tempos em sitcoms, batendo o elenco de Seinfeld.

friends-poker

Acho que os números não traduzem mais o que Friends representa para a história da televisão. O sentimento saudosista dos fãs, o desejo de um retorno para episódios especiais (algo que não vai acontecer, e é bom deixar isso bem claro), até mesmo a “inauguração” do Central Perk em Nova York (com direito a Gunther) e todas as comemorações que vemos hoje para os 20 anos da estreia da série mostram melhor o quanto ela é importante.

Mais que isso: toda uma geração de fãs de séries de TV começaram a acompanhar mais de perto essas produções com Friends. Muita gente só começou a pagar pela TV por assinatura para continuar a ver a série – até porque o Torrent não existia na época -. Eu mesmo fiz o meu primeiro investimento com a Directv para continuar a ver a série dois seis amigos (conheci a série em São Paulo).

Sem falar nas séries que vieram depois dessa aposta de relacionamento de amigos (mesmo que com algumas variações): Will & Grace, That 70’s Show, Community, Friends With Benefits, Friends With Better Lives, Go On, How I Met Your Mother, e tantas outras que exploraram a amizade de pessoas com perfis e personalidades diferentes. Sem Friends, nada disso teria acontecido.

Enfim, por tudo isso – e muito mais que não cabe nesse post -, Friends é uma das séries da minha vida. Foram meus amigos por dez anos, e continuam sendo. Não só pelos DVDs adquiridos, mas porque não vão sair mais da minha memória afetiva. Me dá orgulho ser um fã de série que acompanhou essa história na íntegra, no momento em que ela aconteceu, inclusive vendo o episódio final junto com os Estados Unidos (em um evento único do Warner Channel no Brasil).

Friends hoje completa 20 anos de sua discreta estreia, para trilhar um caminho de um sucesso sem precedentes na história da TV. Sou suspeito para falar, mas na minha opinião, é a sitcom definitiva. Nenhuma outra que veio antes ou depois impactou de forma tão influente uma geração de telespectadores ao redor do planeta. De forma merecida, é uma das melhores séries de todos os tempos.

E quer saber? Que o Warner Channel siga reprisando a série até o fim dos tempos. Só para que possamos relembrar dos bons tempos do ‘how you doing?’…