doutor-estranho-topo

 

O quanto a fé em si mesmo pode curar você (por dentro e por fora)? O quanto você se conhece? E até onde você está disposto a ir para se conhecer.

Doutor Estanho (Doctor Strange, 2016, Marvel/Disney) apresenta um homem em busca de respostas. E na sua busca ele desenvolve habilidades que podem apresentar respostas que serão muito relevantes para o grande arco que desemboca em Guerra Infinita.

Sem antecipar muitos acontecimentos e sem dar spoilers, podemos dizer logo de cara que temos mais um filme bem feito da Marvel em sua estrutura narrativa e produção, com uma regularidade que é bem vinda, mesmo sem apresentar grandes estardalhaços.

 

 

Apresentando Stephen Strange

 

dvoigch

 

Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) tem tudo para ser um novo Tony Stark da nova geração dos Vingadores… só que nem tanto.

Não é tão rico, é mais arrogante, com um humor bem mais fraco e menos carismático. E ainda assim gostamos dele.

Entendo que o tom desse filme é bem mais sério que os demais. Não que o drama de Strange seja mais sério, mas o próprio desenvolvimento do personagem, com uma história com contornos menos acessíveis para o grande público.

Doutor Estranho apresenta Stephen Strange muito bem. Tanto na sua personalidade como nos seu grande drama que inicia os acontecimentos da trama, além do desenvolvimento dos conflitos como um todo.

Tudo é apresentado de forma quase didática. Isso ajuda a fazer com que o filme flua naturalmente, sem ficar com aquela sensação de querer olhar para o relógio o tempo todo.

Este é mais um personagem da Marvel que eu jamais li uma página dos seus quadrinhos, mas imagino que os fãs ficaram satisfeitos com a sua apresentação.

A busca de Strange por suas respostas é interessante. Ele passa por todo o processo de desenvolvimento e aprendizado dos seus poderes, seguindo a filosofia do “é preciso perder para aprender”.

Quando tiraram o maior “dom” do doutor, ele entendeu que tudo o que ele tinha era superficial diante do que ele tinha dentro de si.

Curioso como isso aconteceu com basicamente todos os Vingadores até agora. Até mesmo com o Homem Formiga, que nem poder tem direito.

 

 

Apresentando a magia para proteger o Universo

 

filme-doutor-estranho

 

Doutor Estranho deixa claro como Strange é importante para a sequência dos acontecimentos dessa nova fase da saga Os Vingadores.

Todos nós sabemos que a Guerra Infinta envolve a proteção da Terra e de parte do Universo como conhecemos. E os personagens que vão ajudar a proteger tudo isso já estão aí.

Já estamos partindo para o segundo filme de Os Guardiões da Galáxia, e agora temos o doutor, que é basicamente um dos protetores da Terra contra as forças sobrenaturais.

Obviamente, os caminhos de Strange com os Vingadores vão se cruzar em algum momento. Aliás, já estão se cruzando: em Thor: Ragnarok, já devemos ter essa influência/participação efetiva de Strange de alguma forma nos acontecimentos.

 

 

Um filme que funciona

 

doutor-estranho-pster

 

De novo: apesar de ter um tom mais sério do que os mais recentes filmes da Marvel Cinematic Universe (apesar de ter suas pitadas de humor), Doutor Estranho não é um filme estranho (sem trocadalhos), nem cansativo.

Toda a sequência de eventos é contada com uma razão de ser. É um roteiro minimamente organizado para mostrar uma história com começo, meio  e fim lógicos.

Já falamos que Cumberbatch funciona como Stephen Strange, e o elenco do filme também flui organicamente, sem muitas dificuldades. Apesar de contar com um mega vilão que é derrotado pelo cansaço (literalmente), entendemos que a solução segue a máxima do filme: você não precisa ter super poderes para ser um herói.

Até porque o tempo é o seu maior aliado nessas horas.

O filme tem vários efeitos visuais muito interessantes, e dois grandes momentos do filme mostram isso. É um 3D efetivo e muito imersivo em momentos pontuais.

 

doctor-strange-2016-wallpapers

 

No final das contas, Doutor Estranho é um filme que agrada. São duas horas que passam sem maiores dificuldades. Dá a sequência para uma história que, de forma efetiva, caminha com as próprias pernas em modo “estamos muito bem, obrigado, e sabemos muito bem o que estamos fazendo”.

Sem falar que presta um ótimo serviço em apresentar mais um personagem do Universo Marvel para o grande público.

Que venha o próximo!