Por Rod Reis

TEXTO SEM SPOILERS

A quinta temporada de Doctor Who veio renovando tudo na produção da série de ficção científica de maior longevidade da história, para não dizer a melhor série ficção científica EVER. A série que vinha de uma crescente de quatro temporadas com Russell T. Davies como produtor e roteirista principal e David Tennant no papel de “Doutor” ,apresentou na quinta um “quase reboot” que na verdade foi o começo de uma nova Era com Steven Moffat como produtor e Matt Smith como “Doutor”. Moffat escreveu uns dos melhores episódios da retomada da série em 2005, entre eles “Blink” e estava mais do que apto à levar a série a diante, com a responsabilidade de aumentar ainda mais a popularidade dela.

Matt Smith é o ator mais jovem a interpretar o personagem principal, o que causou muita desconfiança para fãs, mas acredito que logo no primeiro episódio da temporada, “Eleventh Hour” Matt Smith dá um show de interpretação nos minutos finais, quando realmente veste a roupa de “Doutor”, literalmente. Sem muito spoilers, a série vem com um frescor e uma proposta nova, provando que a série está aí até hoje por causa da versatilidade e da flexibilidade do formato. De terror á comédia, de drama á cenas emocionantes, essa temporada foi construída como um grande arco que ligou os episódios.

A tônica da temporada, porém, foram os relacionamentos e os dramas humanos, tudo com um ar de conto de fadas. Isso desagradou alguns fãs da Era RTD/Tennant , mas sempre que as coisas mudam em Doctor Who, os fãs mais “xiitas” demoram para se acostumar com a nova fase. Está diferente sim e ainda bem! Matt Smith termina a temporada muito seguro de ser o Doutor e tem tudo para ser o mais popular desde Davis Tennant. Ele sabe como interpretar um velho no corpo de um jovem, buscando inspiração nos primeiros Doutores. Isso vem de encontro com a idéia de Moffat de trazer mais pra perto o Doctor Who Clássico, coisa que não acontecia muito anteriormente.

A nova temporada é ótima e vale muita o pena ser vista, provando que ela tem muito ainda a nos oferecer em boas histórias. O bom e velho Doutor está de volta!