Por Rod Reis

Seguindo a tendência ou falta de criatividade, mais uma série britânica de sucesso vai ganhar sua versão nas telinhas americanas, Being Human.

Being Human é uma série de drama com uns toques de comédia da BBC 3, cuja trama é centrada num vampiro, um lobisomem e uma fantasma que dividem um apartamento. O lobisomem, George, foi atacado e transformado há dois anos atrás. Por isso, largou a família, amigos e a noiva. Trabalha num hospital e mora com Mitchell, um vampiro, na casa onde morreu Annie, que agora habita o local. Eles enfrentam a ameaça humana sob a forma do misterioso professor Jaggat e o cruel Kemp. Jaggat e Kemp são fundamentalistas cristãos que descobriram a existência de vampiros, lobisomens e fantasmas – e estão determinados a destruí-los ou realizar experimentos brutais em cima deles. Eles acreditam que os vampiros são o diabo encarnado e deve ser destruído; lobisomens que contêm um gene do mal que pode ser removido por violentas experiências científicas, e que os fantasmas devem ser forçados para o outro lado quer se goste ou não.

A série está na sua segunda temporada arrebanhando cada vez mais fãs. O primeiro episódio foca-se no drama de Mitchell, que obviamente tomou a decisão de parar de tomar sangue humano e como todo o viciado, sofre com a abstinência e os desejos contínuos. A série é sobre relacionamentos; sobre medos internos e externos; sobre perda, dos outros e de si mesmo; sobre auto-aceitação; sobre amizade. Apesar de à primeira vista a premissa parecer um tanto quanto boba, Being Human consegue ser diferente e excepcional por tratar de assuntos humanos sob o ponto de vista de criaturas sobrenaturais tentando ser humanos.