blockbuster

Agora é oficial. Acabou. A Dish Networks, que é dona da Blockbuster nos Estados Unidos, anunciou ontem (07) que a rede de locadoras de vídeos vai fechar as portas de todas as suas lojas físicas, além de encerrar o seu serviço de distribuição de DVDs pelos correios no começo de janeiro de 2014.

A Blockbuster vai fechar as 300 lojas que ainda funcionam nos Estados Unidos e centros de distribuição em funcionamento até o começo do ano que vem. O serviço Blockbuster by Mail chega ao fim no meio do mês de dezembro, mas vai continuar a atender os consumidores enquanto os contratos restantes ainda estiverem vigentes.

A marca Blockbuster ainda segue ativa, por uma questão estratégica, mantendo o acervo de vídeos ativo através do serviço Blockbuster @Home, que é oferecido para os assinantes da operadora de TV paga Dish Networks. O serviço Blockbuster on Demand (vídeos por streaming) também segue disponível para o mercado geral.

Fato é que: mesmo que a Blockbuster sobreviva no formato digital (seguindo a tendência de mercado), a marca nunca mais será a mesma. Eu me lembro que ir até a Blockbuster para alugar filmes no final de semana era algo prazeroso (e caro). O declínio da locadora começou com a popularidade dos DVDs e, por consequência, o crescimento da distribuição de filmes pela internet. E ficou ainda pior quando a Netflix se tornou algo popular. Em 2011, a Blockbuster foi comprada pela operadora de TV paga norte-americana Dish Networks, durante o sue processo de bancarrota.

Apenas para uma breve ilustração do quão grande foi essa queda. Em 2002, a Blockbuster tinha um valor de mercado de US$ 5 bilhões, e quando ela foi comprada, ela contava com 1.500 lojas e 15 mil funcionários. Hoje, são pouco mais de 300 lojas, e 2.800 funcionários.

Sinal dos tempos. Triste fim para a Blockbuster. #RIP

Via Electronista