Better_Call_Saul_Still

A AMC está usando cenários muito familiares para promover o prequel de Breaking Bad, Better Call Saul, que estreia nos Estados Unidos no dia 8 de fevereiro (no Brasil em 9 de fevereiro, pela Netflix). Além disso, a série conta com Jonathan Banks em seu elenco, um dos dois personagens oriundos de Breaking Bad que estarão na nova série. Sem falar nas próprias inserções com Bob Ondenkirk, correndo para salvar sua vida e em outras situações pitorescas… tal como ele fazia em Breaking Bad.

O canal está traçando assim uma fina linha na tentativa de conquistar parte dos 10.3 milhões de fãs (em média) que terminaram a jornada de Breaking Bad, mas ao mesmo tempo de todos eles compararem a série nova com a antiga, e isso pode trazer problemas de comparação imediata entre as duas histórias.

“É difícil”, afirma Peter Gould, co-showrunner da série. “Nós temos essa coisa gloriosa – uma grande base de audiência que conhece esse personagem, e que está interessada no seu mundo -, mas a verdade é que… Better Call Saul NÃO É Breaking Bad”.

Para tentar baixar as expectativas de todos, Gould e o outro co-criador da série, Vince Gilligan, revelaram em janeiro que Bryan Cranston e Aaron Paul NÃO FARÃO participação especial na primeira temporada de Better Call Saul. Eles tomaram essa decisão porque queriam que a nova série tivesse vida própria, se sustentasse por si, e não pela possível aparição de Walter White e Jesse Pinkman.

Breaking_Bad_Season_2_embed

Charlie Collier, executivo da AMC, reforça essa decisão: “nós realmente estamos querendo lançar essa série como a primeira temporada de Better Call Saul, e não como uma continuação de Breaking Bad”.

Gilligan teme que as pessoas esperem que a nova série seja uma cópia da antiga, “mas felizmente eles podem encontrar elementos empolgantes e desafiadores suficientes na nova série para eles ficarem e assistirem, com aquele sentimento do ‘mal posso esperar para ver o que vem a seguir'”.

Gould, que trabalhou em Breaking Bad desde o seu início, disse que no começo ele ficou desconfortável ao receber seu salário, pois na sua cabeça, “só existe um criador de Breaking Bad: Vince Gilligan”. Porém, os dois discutiram o assunto, e Gilligan observou que, além de Gould, Better Call Saul contava com diversos roteiristas, produtores e diretores de Breaking Bad, incluindo Melissa Bernstein, Mark Johnson e Stewart Lyons.

Gilligan: “De verdade, Breaking Bad foi um esforço de equipe. Então, dizer ‘dos criadores de Breaking Bad’ (para os créditos de Better Call Saul) faz todo o sentido para mim. E por que eu mantive essa associação? É porque estamos tratando do mesmo universo. Só não é a mesma série”.

Via THR