beat shazam

A summer season está ativa nos Estados Unidos, e a Fox apostou em Beat Shazam como uma das produções que poderia render alguma audiência em uma época do ano que os norte-americanos fazem qualquer coisa… menos ficar em casa assistindo TV.

A aposta musical não é um ineditismo. Afinal de contas, American Idol apareceu ao mundo em uma summer season. Logo, não era surpresa ver o canal tentando de novo fazer a música funcionar em sua grade de programação.

E funcionou!

Apresentado pelo astro global Jamie Foxx (que, curiosamente, apareceu para o mundo em um programa da Fox, o humorístico In Living Colour), o game show segue outra tendência da TV atual: o crossover das mídias. Criar um programa baseado em um aplicativo de smartphone pode ser mais uma prova que a criatividade acabou na TV, mas nesse caso, não é algo tão ruim assim. Ainda mais quando o canal entende que “menos é mais”.

Beat Shazam é um game show bem simples: duplas de viciados em música competem entre si, onde o objetivo é descobrir no menor tempo possível qual é a música que está tocando, tal e como o aplicativo faria.

A ideia aqui não é apenas acertar a música que está tocando, mas também ser mais rápido que os seus concorrentes. A cada acerto, você vai ganhando dinheiro, que ficam na sua poupança ao longo do jogo (você não perde dinheiro nunca, só acumula).

Nos final de cada bloco, uma dupla é eliminada do programa, onde no final de cada episódio, a melhor dupla da semana enfrenta o aplicativo Shazam, precisando responder de forma correta seis músicas de temas diversos de forma correta e em um tempo menor do que o aplicativo faria. Se conseguir, leva para casa US$ 1 milhão.

Beat Shazam é o arroz com feijão bem feito. Os que amam música sempre serão suspeitos para falar, pois vão gostar de qualquer forma. Mas uma das provas que o programa é bom está no fato do telespectador, espontaneamente, começar a responder as perguntas junto com os concorrentes.

Além disso, Jamie Foxx é carismático, e a vibe do programa é boa. Você termina o episódio sempre animado e com vontade de ver o próximo. E sempre de forma despretensiosa, sem o compromisso de ser obrigado a ver o próximo episódio de qualquer forma.

Aliás, é interessante ver os canais norte-americanos apostando novamente na música na televisão (exceto a MTV, que voltou a apostar nos realitys, em mais uma prova de crise de identidade). Não afirmo aqui que a Fox conseguiu o seu Lip Sync Battle, já que considero o formato completamente diferente, mas pode encontrar em Beat Shazam os mesmos efeitos práticos.

Beat Shazam já está renovado para a segunda temporada, o que confirma a boa aceitação do seu formato pelo público norte-americano. Para quem é fã de música, o programa é diversão garantida. Para quem quer apenas um programa para ficar largado no sofá no sábado à tarde, sem ter o que fazer, pode ser uma boa opção.