cliff-curtis-kim-dickens-fear-the-walking-dead-amc

Eu não sei vocês, mas eu começo a me empolgar mais com Fear the Walking Dead (AMC) do que com The Walking Dead (AMC), que já abandonei a algum tempo. E eu nem sei direito por que isso está acontecendo. E a notícia de que os zumbis só vão aparecer no final da primeira temporada/começo da segunda temporada só me anima ainda mais.

Como prequel da série onde Rick Grimes é um maluco descontrolado e o Glenn é mordido por 437 zumbis e mesmo assim sobrevive, Fear the Walking Dead tem a missão de mostrar ‘o início de tudo’, ou melhor, como o apocalipse zumbi começou, e em um local diferente de Atlanta (nesse caso, Los Angeles). Ou seja, apesar de ser o mesmo tema, os mesmos roteiristas, os mesmos criadores, showrunners e canal, é uma história completamente diferente. Começando do zero, e mostrando o início da m*rda toda.

É uma proposta mais atraente do que a que vemos agora, onde Rick e seu grupo sai de um lugar que eles esmerdearam, vão para ouro minimamente organizado, acham que precisam mudar o que funciona, esmerdeiam tudo de novo, e quando os zumbis aparecem (só no final, depois dos humanos se pegarem na porrada com outros humanos), eles vão para outro lugar igualmente organizado, para esmerdear tudo. É um ciclo sem fim chato e tediante.

Ok, não posso garantir que Fear the Walking Dead não vai ser um sonífero, com cenas de silênico e contemplação. Mas ao menos será uma proposta que, ao menos na primeira temporada, de forma obrigatória, terá que tomar outros rumos. Sem os zumbis para dar tiro e servir de elo de ligação entre os lados opostos, os roteiristas terão que trabalhar quase que exclusivamente com o lado humano dos personagens. Seu medo de que tudo está mudando, e quem sabe temos algo mais elaborado.

Não que eu não goste de pessoas dando tiros em zumbis, que fique bem claro.

Sem falar que em Fear the Walking Dead, como não temos os ‘walkers’, entram em ação os ‘infectados’. Faz todo o sentido, já que estamos diante de um cenário pré apocalipse zumbi.

E eu bem sei que tem muita gente com medo de que Fear the Walking Dead vire um drama arrastado, chato, sonolento. Eu também tenho esses receios. Mas ao mesmo tempo entendo que ‘pior do que The Walking Dead, não pode ser’. Senão, começo a duvidar da capacidade desses caras em produzir histórias minimamente interessantes.

Me entenda, amigo leitor: série de zumbi não precisa ter apenas pessoas atirando na cabeça deles para ser interessante. Ela precisa fluir. Algo que não acontece mais com The Walking Dead. Tudo ficou tão insosso e sem sentido, que nem as mortes causam mais impacto. É uma pena, pois para muita gente serviu como apresentação de um gênero de história de ficção, mas que por tamanho arrasto, se tornou simplesmente irrelevante.

Fico na torcida para que o mesmo não aconteça com Fear the Walking Dead. Mas ao mesmo tempo, sou otimista para esperar algo pelo menos diferente da série original. E esse é um excelente argumento para começar a ver a série.